Tratamento publico e domestico da água

A água é considerada um solvente público com alto potencialidade de contaminação, uma vez que possui a casa de solubilizar várias substâncias. Além das substâncias químicas, mais compostos, mesmo em arrebatamento, similarmente são capazes de contaminá-la. Dessa forma, remover os generalidades químicos que foram dissolvidos na água é uma missão surpreendentemente complexa.

De acordo com o coordenador das Estações

Tratamento de Água (ETA’s 1 e 2) da Clube de Entrega de Água e Saneamento S/A (SANASA), João Surtido Edo, “no Brasil quem estabelece quais substâncias precisam ser monitoradas e os lindas aceitáveis é o Ministério da Saúde, por meio da pórtico de potabilidade. Nos dias de hoje está em validade a Pórtico 2914. Dentre as diversas substâncias químicas citadas na pórtico, podemos nomear os surfactantes (detergentes) como um dos mais difíceis de dispensar nas estações de tratamento ”.


A SANASA, empresa de saneamento da município de Campinas (SP), capta água do rio Atibaia, que abastece 95% da município e os distritos de Barão Geraldo, Joaquim Egídio e Sousas, e do rio Capivari para o tratamento e subdivisão. Entre as principais dificuldades no tratamento realizado pela empresa está a má qualidade da assunto prima. “A água do origem está sujeita a descarga brioso criminosa (química ou biológica) ou inesperado ( transporte de cargas perigosas) durante da área do rio ”, afirma o coordenador.


De acordo com o profissional em auditoria e instrumentação ambiental, Mouro Banderali, “os principais complicações relativos com os recursos hídricos são a urbanística acelerada, águas contaminadas por esgoto, por efluentes industriais, por hidrocarbonetos, por produtos químicos da garimpo ou agrotóxicos, além da saída de resíduos em rios, lagos e represas, desenvolvimento de algas e cianobactérias e o utilização intenso das águas superficiais e subterrâneas”.

Banderali sobressai que “a contaminação dos mananciais a partir de atividades humanas gera a urgência de um controle mais rígido da qualidade dos recursos hídricos”.


O tipo de contaminação principal nos mananciais de no qual a água é captada pela SANASA é o esgoto servidor. “ Ainda que os mananciais recebam despejo de muitas fontes, inclusive indústrias e cognição enxada (agrotóxicos), a essencial fonte de contaminação também é o esgoto servidor. Várias cidades da região, até mesmo Campinas, estão fazendo altos investimentos para a construção de estações visando alimentar todo o esgoto originado ”, comenta o coordenador das ETA’s.

Saiba Mais: Tratamento da água passo a passo para torná la potável


Para Banderali, agredir no tratamento apropriado para que a água tenha potabilidade essencial é necessário para conservar a saúde da indivíduos. “A contaminação das águas compromete tanto a biologia aquática quanto a desocupação para o entrega público, que deverá ganhar maior porção de tratamento. Iniciativas para restabelecer a qualidade das águas dos rios, mares e lagos como prevenção, auditoria, remediação das contaminações e aplicações de tecnologias são fundamentais para o futuridade da água no mundo ”.


Como é realizado o tratamento?


No processamento de tratamento da água cada etapa visa dispensar ou inativar categorias de contaminantes que são afetados de maneira parecido pelo processamento empregado. De acordo com João Surtido Edo, “os produtos químicos usados nos dias de hoje pela SANASA no tratamento são:

hulha ativado, empregado para a retirada de substâncias que geram gosto e cheiro ;

policloreto de alumínio (PAC) e cloreto férrico, usados para aglutinar partículas em arrebatamento e produzir a clarificação da água ;

cal hidratada e cal livre, alcalinizantes usados para a revisão do ph ;

cloro, empregado como intermediário oxidante e anti-séptico ;

amônia anidra, usada em conjunto com o cloro para a formação de um intermediário anti-séptico (monocloramina) na barga de subdivisão de água ;

ácido fluossilícico, elemento que possui o íon fluoreto, que promove uma maior resistência dos dentes em oposição a a formação de cáries”.


Mouro Banderali segue que “ há tecnologia para seguir a qualidade da água, medindo os métodos e os generalidades químicos existentes, como azotato, amônia, fósforo, ar, etc”. Para essa ofício, a Ag Solve disponibiliza as sondas mutiparamétricas Aquaread, que identificam temperatura, turbidez, gás dissolvido mg/l, gás dissolvido repleção, condutividade elétrica, completo de sólidos dissolvidos, ph,, entre outros métodos.


De acordo com Banderali, as sondas Aquaread possui a ofício de tirar a qualidade da água em tempo tangível e o logger da Ag Solve (Ag Logger) permite o armazenamento e pré-tratamento do datado, validação e transmissão por telefone celular, rádio ou astro para um banco de dados para avaliação em tempo tangível ou futura. “Por meio dessa tecnologia, é possível avaliar qual tratamento precisa ser dado para que a água tenha a potabilidade essencial para conservar a saúde da indivíduos ”.


Papel do indivíduo


Há algumas situações em que o indivíduo contribui de modo direto para a contaminação de corpos d’ água. De acordo com João Surtido Edo, da SANASA, isto acontece no momento em que o indivíduo descarta lixo em rios e lagos e até mesmo permite que sejam feitas ligações clandestinas de esgotos em sua aposento. “ Pregar o esgoto juntamente com o fluxo pluvial também é uma execução comum que, além de insegura para o próprio inquilino, contamina o meio local ”.

Para ele, a grande colaboração do indivíduo também é a pedagogia e o malogro para as novas gerações. “O respeito pelo meio local, o descarte apropriado de lixo e o utilização lógico da água são atitudes que são capazes de fazer uma percepção ambiental que fará diferença nos equipe, eleitores e gestores do futuridade ”, afirma Edo.

FONTE: https://www.r7.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *